Telefone | 21 41080892
WhatsApp | 21 41080892
HIPNOTERAPIA RJ, HIPNOSE RJ, HIPNOTERAPEUTA RJ

Ansiedade: descubra quais são os tipos e classificações

Psicologia e Hipnoterapia | Cursos e Formações Inteligência Emocional, Neurociências e Hipnose

Ansiedade: descubra quais são os tipos e classificações

Psiquebuilder Psicologia e Hipnoterapia

Descubra como a ansiedade é classificada e categorizada com o objetivo de analisar sintomas de forma acertiva para um tratamento eficaz.

Por Daniel Strucchi

A ansiedade está diretamente relacionada ao medo e ao excesso de preocupação com algo que está por vir. O medo é uma resposta emocional a uma ameaça iminente real ou percebida, enquanto a ansiedade é a antecipação da ameaça futura. Estas duas características se complementam na maioria dos casos de ansiedade, mas também se diferenciam.

O medo pode ser associado a períodos de excitabilidade autonômica aumentada necessária para nosso comportamento de “luta” ou “fuga”, pensamento de perigo e comportamentos de fuga. Já a ansiedade está mais associada a tensão muscular e vigilância em preparação para perigo futuro e comportamentos de cautela e esquiva.

Os transtornos de ansiedade diferem entre si nos tipos de objetos ou situações que induzem medo, ansiedade ou comportamento de esquiva. Sendo assim, eles podem ser diferenciados pela análise detalhada dos tipos de situações que são temidos ou evitados e pelo conteúdo dos pensamentos ou crenças associados.

A classificação abaixo está baseada no DSM 5 que é o Manual de Diagnóstico Estatístico de Transtornos Mentais, criado e mantido pela Associação Americana de Psiquiatria.

1- Transtorno de Ansiedade de Separação

Medo ou ansiedade impróprios e excessivos envolvendo a separação de casa ou de figuras de apego. Aqui encontramos temas relacionados a mudanças para outros locais e a perda de entes queridos.

2- Mutismo Seletivo

Fracasso persistente para falar em situações sociais específicas (escola, trabalho) embora não exista dificuldades de idioma, ou qualquer outra ligada a linguagem.

3- Fobia Específica

Medo ou ansiedade acentuados diante de um objeto ou situação específica (animais, elevador, avião, entre outros).

4- Transtorno de Ansiedade Social (Fobia Social)

Medo ou ansiedade acerca de uma ou mais situações em que o indivíduo é exposto a possível avaliação por outras pessoas. Aqui encontramos o medo de falar em público.

5- Transtorno de Pânico

Caracteriza-se por um surto abrupto de medo ou desconforto intenso que alcança um pico em minutos e que levam o indivíduo a ter sensações como: palpitação, taquicardia, sudorese, tremor, sensações de asfixia e falta de ar, calafrios, dor torácica, parestesia (formigamento), medo de perder o controle e até de morrer.

6- Agorafobia

Medo ou ansiedade acentuados pela exposição real ou prevista como uso de transportes públicos, permanecer em locais abertos ou em locais fechados, ter que esperar em filas, ficar em meio a uma multidão e até mesmo de sair de casa sozinho.

7- Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

Ansiedade ou preocupação excessiva ocorrendo na maioria dos dias, por pelo menos seis meses. Para o indivíduo, torna-se difícil controlar a preocupação. Podemos destacar também o medo de “não saber o que vai acontecer”.

8- Transtorno de Ansiedade Induzido por Substâncias / Medicamentos

Quadro de ansiedade marcante por utilização de algumas classificações de medicamentos, ou substâncias como: cafeína, álcool, cannabis, sedativos, anfetamina, opióide, entre outras.

9- Transtorno de Ansiedade Devido a Outra Condição Médica

Ansiedade clinicamente significativa que pode ser mais bem explicada como um efeito fisiológico direto de outra condição médica.

O que devo fazer ?

É possível que você tenha identificado uma ou mais condições que podem ser causas da sua ansiedade ou a de alguém que conheça. De qualquer forma, existem várias outras análises que precisam ser feitas e comorbidades avaliadas para um diagnóstico correto.

É muito comum inclusive, aparecerem sintomas que enquadram mais de um tipo de ansiedade.

A intenção do artigo é informativa. Procure um profissional da saúde mental que irá te ajudar a entender melhor cada sintoma e definir a melhor abordagem terapêutica para você, mas não deixe de procurar ajuda.

Por Daniel Strucchi

Daniel Strucchi – Doctoralia.com.br

 

%d blogueiros gostam disto: